31 Anos Depois: Chevy Monza 1993 segue com 36 mil km

0
20594

Há carros que transcendem o simples status de meio de transporte para se tornarem verdadeiras lendas sobre rodas. O Chevrolet Monza é um desses ícones automotivos que marcou época no Brasil. Desde o seu lançamento em 1982, o Monza conquistou o coração dos brasileiros, sendo reconhecido por sua confiabilidade, desempenho e estilo incomparáveis.

Monza Class 1993 / Foto: Reginaldo de Campinas
Monza Class 1993 / Foto: Reginaldo de Campinas

Recentemente, um acontecimento surpreendente agitou os entusiastas automotivos de todo o país: Reginaldo de Campinas, renomado por suas descobertas de tesouros automotivos, compartilhou em suas redes sociais a descoberta de um exemplar impressionante do Monza CLASS 1993. Assim, equipado com motor 2.0 e incríveis 36 mil quilômetros rodados, esse Monza é uma verdadeira máquina do tempo sobre quatro rodas.

Foto: Reginaldo de Campinas
Foto: Reginaldo de Campinas

Uma Relíquia Preservada

Após 31 anos desde sua fabricação, este Monza continua impecável, mantendo-se praticamente original de fábrica. Cada detalhe, desde os acessórios até a cor cinza característica, permanece fiel ao momento em que saiu da linha de montagem da GM. É como se o tempo tivesse congelado, preservando esse clássico em sua forma mais pura e autêntica.

Monza Class 1993 / Foto: Reginaldo de Campinas
Monza Class 1993 / Foto: Reginaldo de Campinas

Um Clássico que Desafia o Tempo

Na versão de quatro portas e com câmbio manual, este Monza 1993 é mais do que apenas um carro antigo; é uma obra-prima sobre rodas que desafia as marcas do tempo. Entretanto, sua preservação impecável é um testemunho do amor e dedicação dos entusiastas automotivos que reconhecem o valor histórico e emocional desses ícones do passado.

Monza Class 1993 / Foto: Reginaldo de Campinas
Monza Class 1993 / Foto: Reginaldo de Campinas

Especificações

O Monza Class apresenta um desempenho notável, com uma aceleração de 0 a 100 km/h em 11,7 segundos e uma velocidade máxima de 172 km/h.

Foto: Reginaldo de Campinas
Foto: Reginaldo de Campinas

Seu motor, pertencente à família GM II, opera com uma cilindrada de 1998 cm³ e uma potência máxima de 110 cv a 5600 rpm. Ele tem um torque máximo de 16,6 kgfm a 3200 rpm. Equipado com alimentação por injeção monoponto e comando de válvulas único no cabeçote, o motor é acionado por correia dentada e possui uma configuração de 4 cilindros em linha. Ademais, com uma relação peso/potência de 10,2 kg/cv e peso/torque de 67,8 kg/kgfm, o motor demonstra uma potência específica de 55,1 cv por litro e um torque específico de 8,3 kgfm por litro.

Foto: Reginaldo de Campinas
Foto: Reginaldo de Campinas

Na transmissão, a embreagem é monodisco a seco, e o câmbio é manual de 5 marchas, proporcionando uma tração dianteira. Em termos de dimensões, o veículo possui 4493 mm de comprimento, 1668 mm de largura e 1346 mm de altura, com uma distância entre eixos de 2574 mm. Além disso, o peso total é de 1125 kg, com uma capacidade de carga útil de 475 kg e um porta-malas de 565 litros. O tanque de combustível comporta 57 litros.

Foto: Reginaldo de Campinas
Foto: Reginaldo de Campinas

Em relação à aerodinâmica, o veículo possui uma área frontal de 1,91 m² e um coeficiente de arrasto de 0,37. A direção é assistida hidraulicamente, com um diâmetro de giro de 11,35 metros. Os freios consistem em discos ventilados na dianteira e discos sólidos na traseira. Ademais, a autonomia é de 684 km em estradas e 496 km em áreas urbanas, com um consumo de 12 km/l em rodovias e 8,7 km/l em áreas urbanas.

Foto: Reginaldo de Campinas
Foto: Reginaldo de Campinas

O Legado

Reginaldo de Campinas, conhecido por suas incríveis descobertas de tesouros automotivos, mais uma vez surpreendeu o mundo automobilístico com essa extraordinária revelação. Assim, sua paixão e determinação em encontrar e preservar esses clássicos garantem que a história dos carros continue viva para as futuras gerações de entusiastas.

Foto: Reginaldo de Campinas
Foto: Reginaldo de Campinas

Conclusão

O Chevy Monza 1993 com apenas 36 mil km é mais do que apenas um carro antigo; é uma cápsula do tempo que nos transporta de volta para uma era de elegância e engenhosidade automotiva. Além disso, sua preservação impecável é um testemunho do legado duradouro deixado por um dos carros mais emblemáticos da história brasileira. Enquanto admiramos esse exemplar raro, lembramos também do trabalho incansável de entusiastas como Reginaldo de Campinas, que garantem que esses tesouros automotivos continuem brilhando por muitos anos vindouros.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui